Allan Kardec – Biografia (Parte I)

"Fé inabalável é aquela que pode encarar a razão face à face, em todas as épocas da humanidade".

Allan Kardec

 

A vida e obra de Allan Kardec são demasiado grandes para caber num pequeno artigo. Tentaremos conhecer melhor a sua vida e obra, através de uma cronologia onde possamos ter noção não só do contexto pessoal de Kardec, mas também de alguns fatos políticos, sociais e históricos que marcaram a sua geração.

Segundo afirma Carlos A. I. Bernardo, sobre este assunto: “A Doutrina Espírita surgiu no mundo na época em que os homens estavam preparados, pela natural evolução da civilização, a entendê-la e dar-lhe continuidade. O século de Kardec é também o século de Darwin, de Freud, de Zamenhof, o século em que a escravidão foi banida de todos os países civilizados, o século 19 foi um período marcante na história da humanidade”.

Mas afinal quem foi este homem, descrito como um “alto e belo rapaz, de maneiras distintas, humor jovial na intimidade, bom e obsequioso”, prodígio inteligente, matemático e homem de ciências, cujo currículo incluía a capacidade de falar pelo menos 5 línguas, bem inserido na sociedade vigente, que trocou a fama e as honrarias por uma vida de trabalho e pesquisa dedicada ao mundo dos espíritos?

É o que vamos tentar conhecer, um pouco melhor, nesta série de artigos dedicados ao Grande Codificador.

 

Infância

Casa de infância do pequeno Rivail

 

De uma forma resumida, poderíamos dizer que Allan Kardec, (pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivali), nasceu em Lyon, França, no dia 3 de outubro de 1804 e desencarnou em Paris, França, no dia 31 de março de 1869. Foi criado numa família católica e desde jovem mostrou inclinação para o estudo das ciências e da filosofia. Estudou na Escola Pestalozzi, em Yverdun, Suíça. Tornou-se discípulo de Pestalozzi. Dedicou-se ao ensino durante 30 anos.  Foi educador, escritor, tradutor francês, e o Codificador da Ciência Espírita.

Paulo Henrique de Figueiredo afirma: “o jovem Rivail passou sua infância e juventude na casa de sua avó materna, Charlotte Bochard, na cidade francesa de Bourg-en-Bresse, no departamento de Ain. Vinha de uma importante família, tendo sido o seu avô, o patriarca Benôit Marie Duhamel, préfet do departamento de Ain (cargo equivalente ao de Presidente da Câmara).

A cidade de Bourg, era um destino de viagem muito apreciado pelos franceses, e foi frequentada por reis, nobres, também por Napoleão Bonaparte, e muitas famílias de férias. Os bressans, como eram conhecidos os seus moradores, tinham a fama de serem reservados, mas bastante receptivos e hospitaleiros.

A casa da família Duhamel era uma Maison de maître, casa típica das famílias mais abastadas daquela época, como os profissionais liberais e a elite rural. Eram construídas em três pavimentos. O primeiro abrigava as salas, cozinha, sala de jantar, áreas de serviços. No segundo andar localizava-se a área íntima, como os quartos. Por fim, um sótão ocupara o terceiro pavimento. A sua fachada possuía três fileiras de janelas e uma grande porta de entrada que tinha acesso por uma pequena escadaria.

A casa onde viveu Rivail era bastante ampla. Tinha um grande pátio, estábulos para animais, e em suas proximidades diversos terrenos serviam à produção agrícola. Ficava numa região mais afastada do centro urbano da cidade, e os costumes eram típicos da vida que se leva hoje nos sítios e fazendas. Tirar leite das vacas, produzir queijo, colher legumes e verduras na horta, dar comida aos animais. As cercanias comportavam um ambiente bucólico e agradável, o que nos remete a uma infância rica de oportunidades de aprendizado para aquele esperto e inteligente menino.

 

Vida Académica

Em 1828, aos 24 anos, no seu livro: Plano para melhoria da Educação Pública da França, o jovem Rivail iria escrever sobre as condições ideias para a educação infantil:

Todo mundo fala da importância da educação, mas, para a maioria, esta palavra tem um significado extremamente vago, porque poucas pessoas chegaram a fazer uma idéia precisa de tudo o que ela abarca. 
Vê-se-a geralmente apenas no sistema de estudos e este erro é uma das principais causas do pouco progresso que ela realizou. 

Uma outra causa desse atraso prende-se a um preconceito geralmente aceito contra tudo o que se liga a esta profissão, o que afasta grande número de homens que, por seu mérito, poderiam contribuir para o seu progresso. A educação é a arte de formar os homens, isto é, a arte de fazer eclodir neles os germes da virtude e abafar os do vício;de desenvolver sua inteligência e de lhes dar instrução própria às suas necessidades; enfim de formar o corpo e de lhe dar força e saúde. Numa palavra, a meta da educação consiste no desenvolvimento simultâneo das faculdades morais, físicas e intelectuais. Eis o que todos repetem, mas o que não se pratica. A fonte das qualidades morais se acha nas impressões que a criança recebe desde o seu nascimento, talvez mesmo antes, e que podem agir com mais ou menos energia sobre o seu espírito, para o bem ou para o mal. Tudo o que ela vê, tudo o que ela ouve, a faz experimentar impressões. 

Ora, assim como a educação intelectual consiste na soma das idéias adquiridas, a educação moral é o resultado de todas as impressões recebidas. Cada objeto, que a criança vê, lhe dá uma idéia, e cada palavra, que ela escuta ou cada ação de que ela é objeto ou testemunha, a faz experimentar uma impressão; a mesma impressão, mantida durante um certo tempo e frequentemente repetida, fá-la contrair um hábito.

Rivail com 24 anos

 

Aos quatorze anos de idade já ensinava os seus colegas menos adiantados, criando cursos gratuitos. Aos dezoito, bacharelou-se em Ciências e Letras.

A verdade é que Rivail nasceu numa antiga família de orientação católica com tradição na magistratura e na advocacia, e desde cedo manifestou propensão para o estudo das ciências e da filosofia.

Fez os seus estudos na Escola de Pestalozzi, no Castelo de Zahringenem, em Yverdun, na Suíça (país protestante), tornando-se um dos seus mais distintos discípulos e ativo propagador de seu método, que tão grande influência teve na reforma do ensino na França e na Alemanha.

Concluídos os seus estudos, o jovem Rivail retornou ao seu país natal. Profundo conhecedor da língua Alemã, traduziu para este idioma diferentes obras de educação e de moral, com destaque para as obras de François Fénelon, pelas quais manifestava particular atração. Conhecia a fundo os idiomas francês, alemão, inglês e holandês, além de dominar perfeitamente os idiomas italiano e espanhol.

 

 

"Denizard Rivail era um alto e belo rapaz, de maneiras distintas, humor jovial na intimidade, bom e obsequioso".

O futuro fundador do Espiritismo recebeu desde o berço um nome querido e respeitado e todo um passado de virtudes, de honra, de probidade; grande número dos seus antepassados se tinham distinguido na advocacia e na magistratura, por seu talento, saber e escrupulosa probidade. Parecia que o jovem Rivail devia sonhar, também ele, com os louros e as glórias da sua família. Assim, porém, não foi, porque, desde o começo da sua juventude, ele se sentiu atraído para as ciências e para a filosofia.

Rivail Denizard fez em Lião os seus primeiros estudos e completou em seguida a sua bagagem escolar, em Yverdun (Suíça), com o célebre professor Pestalozzi, de quem cedo se tornou um dos mais eminentes discípulos, colaborador inteligente e dedicado. Aplicou-se, de todo o coração, à propaganda do sistema de educação que exerceu tão grande influência sobre a reforma dos estudos na França e na Alemanha. Muitíssimas vezes, quando Pestalozzi era chamado pelos governos, um pouco de todos os lados, para fundar institutos semelhantes ao de Yverdun, confiava a Denizard Rivail o encargo de o substituir na direção da sua escola. O discípulo tornado mestre tinha, além de tudo, com os mais legítimos direitos, a capacidade requerida para dar boa conta da tarefa que lhe era confiada. Era bacharel em letras e em ciências e doutor em medicina, tendo feito todos os estudos médicos e defendido brilhantemente sua tese. Lingüista insigne, conhecia a fundo e falava corretamente o alemão, o inglês, o italiano e o espanhol; conhecia também o holandês, e podia facilmente exprimir-se nesta língua.

“Membro de várias sociedades sábias, nomeadamente da Academia Real d’Arras, foi premiado, por concurso, em 1831, pela apresentação da sua notável memória: Qual o sistema de estudo mais em harmonia com as necessidades da época?

 

O professor Rivail tornou-se assim um homem muito respeitado. Várias das suas obras foram adotadas pela Universidade de França, e graças ao seu assíduo trabalho, pode conseguir “uma modesta abastança”. O seu nome era conhecido e respeitado e os seus trabalhos justamente apreciados, muito antes que ele imortalizasse o nome de Allan Kardec.

Durante trinta anos, de 1819 a 1850, muitas vezes se sobrepondo as incompreensões e aos reveses, Hippolyte Léon Denizard Rivail empenhou-se de corpo e alma em instruir e educar muitas crianças e jovens parisienses, segundo o método pestalozziano, com modificações de práticas pedagógicas por ele mesmo criadas ou desenvolvidas, algumas das quais só mais tarde, no século XX, seriam retomadas e largamente difundidas por ilustres reformadores do ensino.

Descrito pelos seus pares como tendo a “paciência, a abnegação, o trabalho, a observação, a força de vontade e o amor as boas causas, a fim de melhor poder desempenhar a gloriosa missão que lhe estava reservada". Antes que o Espiritismo lhe popularizasse e imortalizasse

o pseudônimo Allan Kardec, já havia Rivail firmado bem alto, no conceito do povo francês e no respeito de autoridades e professores, a sua reputação de distinguido mestre da Pedagogia moderna, com o seu nome inscrito em importantes obras biobibliográficas.”

 

 

Allan Kardec – Mocidade, Formação Académica, Formação Profissional, Casamento, Pedagogia e Filantropia

Cronologia

23 de novembro de 1795 Amélie-Gabrielle Boudet (desencarnou em 1883)

Thiais, França

Nasce em Thiais, na comuna do departamento parisiense de Val-de-Marne, Amélie-Gabrielle Boudet, aquela que viria a ser a esposa e companheira de Allan Kardec. Depois de concluir o primeiro grau nos seus estudos, a sua família estabeleceu-se em Paris, onde ela entrou numa Escola Normal e se tornou Professora de Letras e Belas Artes.

Colaboradora do Professor Rivail nos projetos pedagógicos, foi um grande apoio na fase da Codificação Espírita, tornando-se a verdadeira secretária do esposo, secundando-o nos novos e árduos trabalhos que praticamente lhe tomaram todo o tempo entre 1857 a 1869. Quando Kardec desencarna em 1869, continua a trabalhar ativamente para garantir a vitalidade do Espiritismo, participando da fundação da “Sociedade Anónima do Espiritismo", mais tarde "Sociedade para continuação das obras Espíritas de Allan Kardec, destinada a prosseguir com a publicação da "Revue Spirite". Oficialmente o seu nascimento se deu aos 2 do Frimário do ano 4º, pois nessa época estava em vigência o Calendário Republicano, instituído na França pela Revolução Francesa (1789).

 

9 de novembro de 1799

Paris, França

O general Napoleão Bonaparte lidera o golpe que encerra a Revolução Francesa. O golpe destinado a "salvar" uma França em frangalhos pelos excessos revolucionários e pela ameaça externa, leva Napoleão a implantar um governo pessoal e na liderança dos exércitos franceses a impor-se a toda Europa continental.

A Revolução Francesa, iniciada em 1789, criou o mundo contemporâneo, não só pôs um ponto final à ordem social feudalista do Velho Regime, como deu origem aos conceitos atuais de nacionalismo, de direitos humanos, de igualdade perante a lei, de separação entre religião e estado. Também são criações suas as formas modernas dos extremismos de esquerda e de direita, o terror político, o internacionalismo revolucionário, etc...

Muitas das conquistas da Revolução foram consolidadas sob Napoleão, bem como estendidas ao restante da Europa. De destacar é o Código Napoleónico, código legal que é a base da legislação moderna de boa parte dos países ocidentais.

 

1804

Paris, França

Napoleão Bonaparte é coroado Imperador da França. Não só faz com que o Papa se desloque a Paris para a coroação, como lhe toma a coroa das mãos e coroa a si próprio.

 

3 de outubro de 1804 (desencarnou em 1869)

Lion, França

Nasce às 7h00 da noite, Hippolyte Léon Denizard Rivail, no seio de uma família católica, com forte historial na magistratura e na tribuna jurídica, aquele que viria a ser conhecido como Allan Kardec, o Codificador Espirita.

 

Final de 1805

Yverdun, Suíça

É criado o instituto de educação no castelo de Yverdun por Johann Heinrich Pestalozzi (encarnou em 1746 e desencarnou em 1827). Neste instituto, que funcionaria até 1825, o notável educador suiço pôde colocar em prática as suas ideias sobre o ensino, contribuindo não só para a formação de grandes nomes da cultura europeia, como influenciando profundamente futuros educadores, entre eles H. L. D. Rivail.

Pestalozzi acreditava na necessidade de desenvolver o entendimento da criança através da observação e da manipulação de objetos, e não do ensino de preceitos e normas. Além do instituto de Yverdun fundou também, em 1789, na cidade de Stans, um instituto educacional para crianças pobres e publicou livros pedagógicos.

 

1807

Londres, Inglaterra

Willian Wilberforce, líder da causa abolicionista na Grã-Bretanha, consegue a aprovação no Parlamento da lei que proibe o tráfico de escravos no Império Britânico.

 

19 de outubro de 1812

Moscovo, Rússia

Começa o maior desastre militar de todos os tempos. As tropas francesas iniciam a volta para a França após uma desastrosa invasão da Russia. Napoleão viu-se obrigado a abandonar a campanha premido pelo inverno e pela bem-sucedida estratégia Russa de evitar uma batalha decisiva cedendo terreno "devastado". Dos 610 mil soldados que invadiram o país, apenas 100 mil cruzaram a fronteira de volta. A sequência dos eventos levaria a derrotas sucessivas das extenuadas tropas francesas e a captura de Paris em 1814 por russos e prussianos, nessa ocasião Napoleão abdica pela primeira vez.

 

1815

Yverdun, Suíça

Rivail é enviado pelos pais como aluno para o Institulo de Yverdon, na Suíça, sob a responsabilidade de João Henrique Pestalozzi.

 

Paris, França

Napoleão retorna a França e novamente é aclamado pelo povo e restabelecido no poder. Seu governo só dura cerca de 100 dias, quando é definitivamente derrotado na batalha de Waterloo e forçado a abdicar novamente. Napoleão morre em 1821 na ilha de Santa Helena como prisioneiro dos ingleses.

 

1819

Yverdun, Suíça

Rivail, depois de se ter revelado um aluno brilhante, desempenha no instituto funções de sub-mestre.

 

1822

Retorna a Paris.

 

1 de fevereiro de 1823

Paris, França

é publicada na “Bibliographie de la France” o prospecto intitulado: “Cours Pratique et Théorique D’Arithmétique, d’après les principes de Pestalozzi, avec des modifications”, assinado por H.L.D. Rivail.

 

6 de dezembro de 1823

Paris, França

Livro "Cours Pratique et Théorique D'Arithmétique" por H. L. D. Rivail relacionado na "Bibliographie de la France".

 

1823

Paris, França

Rivail toma contato com o "Magnetismo Animal". O magnetismo animal estudava a energia, ou o fluído como chamavam na época, emanado dos seres vivos e que podia ser dirigido pela vontade do "magnetizador" para diversas finalidades, entre elas as curas. Alguns fenômenos estudados pelo magnetismo animal são atualmente classificados como hipnotismo enquanto que outros passaram a ser estudados pelo Espiritismo.

 

1924

Em 1824, retornou a Paris e publicou um plano para aperfeiçoamento do ensino público. Após o ano de 1834, passou a lecionar, publicando diversas obras sobre educação, e tornou-se membro da Real Academia de Ciências Naturais.

Como pedagogo, o jovem Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público. Entre 1835 e 1840, manteve na sua residência, na rua de Sèvres, cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia e outros. Nesse período, preocupado com a didática, elaborou um manual de aritmética, que foi adotado por décadas nas escolas francesas, e um quadro mnemônico da História da França, que visou facilitar ao estudante memorizar as datas dos acontecimentos de maior expressão e as descobertas de cada reinado do país.

As matérias que lecionou como pedagogo são: Química, Matemática, Astronomia, Física, Fisiologia, Retórica, Anatomia Comparada e Francês.

 

1825

Paris, França

O professor Rivail começa a dirigir a "École de Premier Degré", “Escola de Primeiro Grau” estabelecimento fundado por ele em Paris.

 

Paris, França

Livro "Contos Primaveris" por Amélie-Gabrielle Boudet.

 

1826

Paris, França

Livro "Noções de Desenho" por Amélie-Gabrielle Boudet.

 

1826

Surge em Paris, à rua de Sévres nº 35, a “Instituição Rivail”, que era um instituto técnico.

veio fundar em Paris, à rua de Sèvres n° 35, um estabelecimento semelhante ao de Yverdun. Para essa empresa se associara a um dos seus tios, irmão de sua mãe, o qual era seu sócio capitalista.

Conforme assinalara a escritora inglesa Anna Blackwell, que o conheceu de perto, aquele espírito "ativo e tenaz" era "precavido até quase a friez, céptico por natureza e por educação". Aliás, cerca de trinta anos antes, quando Rivail tinha apenas 24 primaveras, a sua preocupação científica e o seu caráter eminentemente positivo o fariam escrever numa obra sobre a educação pública: "Aquele que houver estudado as ciências rirá, então, da credulidade supersticiosa dos ignorantes. Não mais crerá em espectros e fantasmas. Não mais aceitará fogos-fátuos por espíritos."

 

21 de junho de 1828

Paris, França

Em junho, publica o “Plan proposé pour l’amélioration de l’éducation publique”.

 

1828

Paris, França

Livro "O Essencial em Belas-Artes" por Amélie-Gabrielle Boudet.

 

1829

Alemanha

Publicação do livro "Die Seherin von Prevorst" (A Vidente de Prevorst), do Dr. Justinus Kerner. Neste livro, o Dr. Kerner relata fenômenos mediúnicos que ele presenciou e analisou, realizados por intermédio da senhora Hauffe.

 

janeiro de 1831

Paris, França

Publica uma “Mémoire sur l’instruction publique” e a sua “Grammaire Française Classique sur un nouveau plan”. Participa num concurso promovido pela Academia Real das Ciências de Arrás, no qual saiu vencedor com o trabalho.

 

6 de fevereiro de 1832

França

Casa-se, em 9 de fevereiro, com Amélie-Gabrielle Boudet.

No mundo das letras e do ensino, que freqüentava em Paris, Denizard Rivail encontrou a senhorita Amélia Boudet, professora com diploma de 1ª classe. Pequena, mas bem proporcionada, gentil e graciosa, rica por seus pais e filha única, inteligente e viva, ela soube por seu sorriso e predicados fazer-se notar pelo Sr. Rivail, em quem adivinhou, sob a franca e comunicativa alegria do homem amável, o pensador sábio e profundo, que aliava grande dignidade à mais esmerada urbanidade. O registro civil nos informa que:

“Amélie Gabrielle Boudet, filha de Julien-Louis Boudet, proprietário e antigo tabelião, e de Julie Louise Seigneat de Lacombe, nasceu em Thiais (Sena), aos 2 do Frimário do ano IV (23 de novembro de 1795).”

A senhorita Amélia Boudet tinha, pois, mais nove anos que o Sr. Rivail, mas na aparência dir-se-ia ter menos dez que ele, quando, em 6 de fevereiro de 1832, se firmou em Paris o contrato de casamento de Hippolyte-Léon-Denizard Rivail, diretor do Instituto Técnico à rua de Sèvres (Método de Pestalozzi), filho de Jean-Baptiste Antoine e senhora, Jeanne Duhamel, residentes em Château-du-Loir, com Amélie-Gabrielle Boudet, filha de Julien Louis e senhora Julie Louise Seigneat de Lacombe, residentes em Paris, 35 rua de Sèvres.

 

1832

Paris, França

O professor Rivail e a sua esposa fundam e dirigem um pequeno pensionato para mocinhas (demoiselles). Merece ser destacado que por essa época as escolas mistas eram proibidas na França e o ensino feminino relegado a segundo plano.

 

1833

Inglaterra

O matemático inglês Charles Babbage apresenta os planos de sua máquina de calcular programável (chamada de "Difference Engine"). As dificuldades impostas pela falta de recursos financeiros e tecnológicos impediram que implementasse suas idéias. Elas só se tornariam realidade mais de 100 anos depois com os computadores baseados em relês e válvulas eletrônicas. No mesmo ano se dá seu encontro com Augusta Adda Byron, Lady Lovelace, que estuda o funcionamento do equipamento e escreve textos sob sua programação. Charles Babbage pode ser considerado como o projectista do primeiro computador da história (embora não tenha sido implementado) e Adda Byron a primeira programadora.

Londres, Inglaterra

É aprovada pelo Parlamento a lei que termina definitivamente com a escravidão no Império Britânico. A lei garante aos "proprietários" de escravos uma indenização paga pelo governo britânico.

 

1834

Último ano de funcionamento da “Instituição Rivail”.

“O sócio do Sr. Rivail tinha a paixão do jogo; arruinou o sobrinho, perdendo grossas somas em Spa e em Aix-la-Chapelle. O Sr. Rivail requereu a liquidação do Instituto, de cuja partilha couberam 45.000 francos a cada um deles. Essa soma foi colocada pelo Sr. e Sra. Rival em casa de um dos seus amigos íntimos, negociante, que fez maus negócios e cuja falência nada deixou aos credores.

Longe de desanimar com esse duplo revés, o Sr. e Sra. Rivail lançaram-se corajosamente ao trabalho. Ele encontrou e pôde encarregar-se da contabilidade de três casas, que lhe produziam cerca de 7.000 francos por ano; e, terminado o seu dia, esse trabalhador infatigável escrevia à noite, ao serão, gramáticas, aritméticas, livros para estudos pedagógicos superiores; traduzia obras inglesas e alemãs e preparava todos os cursos de Levy-Alvarès, freqüentados por discípulos de ambos os sexos do faubourg Saint-Germain. Organizou também em sua casa, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de química, física, astronomia e anatomia comparada, de 1835 a 1840, e que eram muito freqüentados.”

 

1835

Paris, França

O professor Rivail passa por sérias dificuldades financeiras, com o fechamento do instituto de ensino que dirigia e com prejuízos decorrentes da falência de um amigo comerciante ao qual ficou confiada a renda da liquidação do referido instituto. Ele emprega-se como contabilista de casas comerciais, dedica-se a trabalhos de tradução e à preparação de cursos. Neste ano, passa a ministrar cursos gratuitos a alunos pobres em sua residência.

 

1835 - 1840

Paris, França

O professor Rivail organiza e ministra cursos gratuitos de química, física, astronomia, etc. O curso dirigido a alunos pobres é ministrado na própria residência do professor Rivail.

“Como pedagogo, o jovem Rivail dedicou-se à luta para uma maior democratização do ensino público. Entre 1835 e 1840, manteve em sua residência, à rua de Sèvres, cursos gratuitos de Química, Física, Anatomia comparada, Astronomia e outros. Nesse período, preocupado com a didática, criou um engenhoso método de ensinar a contar e um quadro mnemônico da História de França, visando facilitar ao estudante memorizar as datas dos acontecimentos de maior expressão e as descobertas de cada reinado do país. Publicou diversas obras sobre Educação.”

 

30 de outubro de 1837

Estados Unidos da América

Samuel Morse (encarnou em 1791 e desencarnou em 1872) obtém a patente do seu invento, o Telégrafo, que revolucionaria as comunicações e permitiria a divulgação rápida de idéias, eventos e notícias. Já em 1851 seria instalado o primeiro cabo telegráfico submarino entre a Inglaterra e a França e em 1865 seria criada a União Telegráfica Mundial. Ainda em vida Morse teve a oportunidade de testemunhar os imensos benefícios trazidos por sua invenção. Antes do Telégrafo as notícias eram transmitidas pelos meios de transportes existentes, marítimos ou terrestres, e o seu tempo de propagação dependia fortemente da distância percorrida.

 

1840

Wütenberg, Alemanha

Em Mottlingen, Wütenberg, fenômenos de audição, visão, comunicação, que provinham incontestavelmente de espíritos, foram motivos dos jornais locais.

 

1843 - 1848

Paris, França

O professor Rivail dá também cursos públicos, bissemanais, de matemática e astronomia.

 

1846

Paris, França

O professor Rivail publica o Manuel des examens pour les brevets de capacité, com soluções raciocinadas de questões e problemas de aritmética e geometria.

 

28 de março de 1848

Hydesville, Estados Unidos da América

Iniciam os eventos em Hydesville na casa da família Fox.

 

31 de março de 1848

Hydesville, Estados Unidos da América

O comunicante invisível de Hydesville se identifica como um caixeiro viajante assassinado no local.

 

Obras de Allan Kardec

Plano Proposto para Melhoramento da Instrução Pública, 1828
Curso Prático e Teórico de Aritmética, 1824
Gramática Francesa Clássica, 1831
Catecismo Gramatical da Língua Francesa, 1848
Ditados Especiais Sobre as Dificuldades Ortográficas, 1849

 

Em breve:

Allan Kardec – Biografia (Parte II) - Allan Kardec – O Mundo dos Espiritos, Observações, Factos e a Codificação.

 

 

 

Referências:
Zêus Wantuil, Francisco Thiesen e Henri Sausse
autoresespiritasclassicos.com
ebiografia.com
autoresespiritasclassicos.com
blogdobrunotavares.wordpress.com
noticiaespirita.com.br

 

 

Partilhar!